autores
actividades
onde comprar
 
 

 

 

 
 
 
 
 
TEXTO
Charles Cros
ILUSTRAÇÃO
André da Loba
TRADUÇÃO
Miguel Gouveia
Helder Guégués
FORMATO
115x206mm
PÁGINAS
n/a
 

O ARENQUE FUMADO

A origem deste poema esteve numa história que Charles Cros contou uma noite ao seu filho Guy. Escrito e publicado em 1872, primeiramente numa versão em prosa, aparece em verso, tal qual o conhecemos hoje, na colectânea de textos de Cros Le Coffret de santal em 1873. O sucesso deste poema, decorado e dito por gerações de franceses até aos nossos dias, tal como outros textos de Charles Cros, contribuem para o aparecimento do monologue fumiste, género muito divulgado pelo humorista Coquelin Cadet, que encoraja Cros e outros escritores a escrever novos textos que obedeçam a esta estrutura: texto cómico, curto, com uma só personagem e de ritmo rápido. Em 1884, Cadet publica uma antologia de monólogos divididos da seguinte forma: monólogos tristes, alegres, indecisos, verdadeiros e excessivos. Todos eles acompanhados com conselhos para os dizer. Admirado por Edward Gorey, este terá sido um dos primeiros a ilustrar este texto, traduzido para o inglês por Alphonse Allais. Também por via da admiração que alguns surrealistas sentiam por Cros, André Breton inclui este poema na histórica Antologia do humor negro onde, no texto de apresentação, ressalta "a proeza que resultou ao fazer rodar em vazio o moinho poético no Arenque Fumado".

— Bruaá

Era um grande muro branco - nu, nu, nu...

Bookmark and Share

 

 

 

 

 
 
 
 
 
 

 

Sejam os primeiros a descobrir o

que andamos a fazer: os livros,
os lançamentos, os trabalhos, etc.

— Subscrever notícias

 

  Dúvidas, perguntas, um desafio, envio de trabalhos originais, um bruaá ou um simples olá.

– Contactem-nos

 

 

BRUAÁ EDIÇÃO E DESIGN

R. Dr. Santos Rocha, 17 r/c

3080-124 Figueira da Foz

t. +351 233 042 686