%
 
 

O URSO QUE NÃO ERA

Frank Tashlin

13.50 12.16

O Urso sabia que quando os gansos voavam para sul, e as folhas começavam a cair das árvores, era sinal que o inverno estava para chegar e que em breve a floresta ficaria coberta pela neve.

QTD

SOBRE

O Urso sabia que quando os gansos voavam para sul, e as folhas começavam a cair das árvores, era sinal que o inverno estava para chegar e que em breve a floresta ficaria coberta pela neve. Era altura de hibernar. No entanto, quando alguns meses depois acorda, o urso não terá a floresta à sua espera, mas sim uma enorme fábrica que ali foi construída enquanto dormia. Onde estava a floresta? Onde estava a erva? Onde estavam as árvores? Onde estavam as flores? Que sítio era aquele? O urso sente-se perdido naquele sítio estranho, mas mais perdido vai ficar quando na fábrica todos lhe dizem que ele não é um urso, mas sim um homem tonto que precisa de fazer a barba e usa um casaco de peles. Será que o urso os vai conseguir convencer do contrário? Publicado em 1946, este texto hilariante e absurdo de Frank Tashlin contém todas as marcas de uma obra-prima intemporal. Um livro imprescindível para ursos e humanos de todas as idades.

Detalhes

Autores

Frank Tashlin

Formato

138X215mm

Páginas

64

ISBN

978-989-8166-29-6

AUTORES

Frank Tashlin (1913-1972) nasceu em Nova Jersey e cresceu em Queens, Nova Iorque. Na adolescência trabalha já em animação nos vários estúdios pioneiros que surgiam nessa época em Nova Iorque. Em 1933 muda-se para Hollywood, onde escreve e realiza curtas de animação para a MGM, Warner Bros e Disney. Em meados dos anos 40, retira-se da animação para começar a escrever para os irmãos Marx, Lucille Ball, entre outros, e a trabalhar em cinema como guionista. Trabalha com Jerry Lewis, Bob Hope e Red Skelton, com os seus filmes ainda a ecoarem elementos da sua carreira na animação. Em 1946 Tashlin escreve O Urso Que não Era (The Bear That Wasn’t), um livro que sempre descreveu como sendo muito especial para si, o qual acabaria por conhecer edições em inúmeros países e uma versão animada em 1967. Seguiram-se mais dois “The Possum That Didn’t" (1950) e "The World That Isn’t" (1951). Para além desta trilogia, Tashlin publicaria ainda mais dois livros: "How the Circus Learned to Smile", em 1949, gravado em disco por Spike Jones, e "How to Create Cartoons", em 1952.

CRÍTICA

A obra-prima do Sr. Tashlin O Urso Que Não Era é uma sátira genialmente selvagem sobre As Pessoas Civilizadas Que Não o São. Los Angeles Times

Se não se rir com O Urso que Não Era, não só não pertence à espécie humana, como também é um agelasta e merece sê-lo. Um agelasta (ver Rabelais) é um homem tonto que precisa de fazer a barba, usa casaco de peles e não tem sentido de humor. Saturday Review of Literature

Neste clássico de 1946, Frank Tashlin oferece ao leitor uma profunda parábola sobre a identidade, a individualidade e a sociedade. Mordaz e absurda pelo exagero caricatural das personagens com quem o urso se cruza, a narrativa associa humor e ironia numa composição que remete para o filme mudo. Andreia Brites, Revista Blimunda

As ilustrações, feitas num fino traço preto sobre a alternância de páginas brancas e azuis, são de uma rara beleza, seja quando se passeiam por entre a neve e as folhas ou quando mergulham na velocidade e no ruído do mundo industrial. Um livro maravilhoso que aproxima os mais novos do terreno da distopia, e que mostra que a individualidade é algo que deve ser preservado com unhas e dentes. Mesmo que, para tal, seja necessário hibernar durante uns meses. Pedro Silva, Deus me Livro

A divertida história deste urso foi publicada em 1946, pelo escritor, argumentista e realizador americano Frank Tashlin. Setenta anos depois, é editada por cá, graças à Bruaá, que nos vem lembrar como é importante sermos quem somos – mesmo que todos os outros achem que não devemos ser assim. Gabriela Lourenço, Revista Visão

Um urso sai de hibernação e descobre uma fábrica instalada em cima da gruta. Mais do que a crítica ao modelo de racionalização do trabalho, esta é uma fábula de contornos kafkianos sobre quem somos e o lugar que ocupamos no mundo. Do norte-americano Frank Tashlin, O Urso que Não Era foi originalmente publicado em 1946 e é a mais recente edição da Bruaá. Carla Maia de Almeida, O Jardim Assombrado

Categoria:

MAS EU SOU UM URSO.