%
 
 

UM DIA DE LOUCOS…

Walter Benjamin + Marta Monteiro

15.00 13.50

“Um dia de loucos: Trinta ossos duros de roer” é um dos cerca de noventa programas de rádio para crianças que Walter Benjamin, um dos mais influentes pensadores do século XX, escreveu e apresentou na rádio alemã entre 1927 e 1933.

QTD

SOBRE

“Um dia de loucos: Trinta ossos duros de roer” é um dos cerca de noventa programas de rádio para crianças que Walter Benjamin, um dos mais influentes pensadores do século XX, escreveu e apresentou na rádio alemã entre 1927 e 1933. Transmitidos entre a Rádio Berlim e Rádio Frankfurt, estes programas de Benjamin abrangiam uma fascinante variedade de tópicos: o terramoto de Lisboa, a erupção do Vesúvio, a inundação do rio Mississipi, e muitos mais. Neste texto em particular, Benjamin propõe uma intrigante e divertida história onde acompanhamos as peripécias da personagem principal na busca da solução para uma adivinha. Enquanto a lemos, somos desafiados a encontrar 15 erros e a responder a 15 perguntas. Cada resposta correta a uma pergunta vale dois pontos, porque muitas das perguntas são mais difíceis de responder do que os erros são de encontrar. Todas as soluções são apresentadas no final (não vale espreitar). Aceitam o desafio?

Detalhes

Autores

Walter Benjamin + Marta Monteiro

Formato

223x286mm

Páginas

40

ISBN

978-989-8166-31-9

CRÍTICA

(...) uma narrativa de humor, plena de desencontros e acidentes. Escrita por Walter Benjamin para um programa de rádio que também apresentava entre 1927 e 1933, esta história acompanha as peripécias de um homem na tentativa de encontrar um amigo ao longo de um dia. Uma tarefa simples transforma-se numa odisseia em que situações paralelas acabam por condicionar e interferir nos planos do protagonista. Como se não bastassem estes acasos, o narrador logo alerta o leitor (originalmente ouvinte) para 15 erros na narração, incongruências que devem ser descobertas, e para outros 15 enigmas ou adivinhas que será convidado a adivinhar. Tudo está bem explicado no preâmbulo da história. O leitor deve inclusivamente assinalar cada erro que descortine e a resposta para cada adivinha. Andreia Brites, Revista Blimunda

(...) No centro da história está um narrador chamado Bruno que vai contando, na primeira pessoa, o dia de loucos que está a ter para conseguir responder a uma adivinha. Mas como se percebe logo pela introdução, todo o livro é ele próprio uma charada, com 15 erros que o leitor é desafiado a encontrar e 15 perguntas — assinaladas por um “gong” — para responder depois de pôr a cabeça a funcionar. Os tais 30 ossos duros de roer que, quem sabe, potenciarão novos pensadores tão brilhantes como o filósofo judeu (não vale espreitar as soluções no final). Ana Dias Ferreira, Observador

Recue-se ao final dos anos 20 do século passado, para imaginar Walter Benjamin num estúdio de rádio. Eram os primeiros passos deste meio de comunicação na Alemanha e, atrás dos microfones, sentava-se aquele que, mais tarde, seria reconhecido como um dos mais importantes pensadores do século XX. E o que fez ali durante seis anos? Um programa para crianças, onde falava dos mais variados temas – da erupção do Vesúvio à inundação do Mississípi ou ao terramoto de Lisboa, mas também de livros e peças de teatro, por exemplo. Os textos foram, mais tarde, reunidos no volume Radio Benjamin, nunca publicado por cá. Valha-nos agora a editora Bruaá, que pegou num desses programas e o transformou num livro ilustrado para crianças. Gabriela Lourenço, Revista Visão

Um Dia de Loucos: Trinta Ossos Duros de Roer é na verdade um programa de rádio, um dos 90 que Benjamin fez entre 1927 e 1933 e que acabou recauchutado em livro. Em 40 páginas ilustradas por Marta Monteiro, acompanhamos um dia estranho na vida de Bruno e a sua busca pela solução de uma adivinha. Pelo caminho, Benjamin semeou 15 perguntas a que é preciso responder e 15 erros para detectar. Cada resposta correta vale dois pontos, cada erro identificado vale um. As soluções estão todas no fim e podemos espreitar à vontade, mas isso tira a graça toda à coisa. João Pedro Oliveira, Revista Time Out

Categoria:

TRINTA OSSOS DE ROER