Magias 
Há quem queira adquirir faculdades mentais utilizando o método faquírico. É um erro. Cada um deve ter o seu método. Quando eu quero fazer aparecer uma rã viva (uma rã morta é muito fácil), não me forço a isso. Aliás, ponho-me a pintar um quadro mentalmente. Formo as margens de um rio, escolhendo bem os meus verdes, depois espero pelo rio. Passado algum tempo, atiro uma varinha sobre a margem; se se molhar, posso ficar tranquilo, só tenho de aguardar um bocadinho que logo aparecem as rãs a saltar e a mergulhar. Se a varinha não se molhar, terei de renunciar ao meu esforço. Então, faço a noite, uma noite bem quente e, com uma lanterna, passeio pelo campo. É raro que tardem a coaxar. Isto não tem nada a ver para o caso. Mas tenho de o dizer, está à minha frente, está a acontecer: Vou ficar cego.

 
Henri Michaux
Tradução de Margarida Vale de Gato
in Antologia, Relógio D’Água, 1999
Ilustração de Marco Somà