“Eu espero…” na Casa da Leitura

Num registo visivelmente invulgar, no universo (português) da escrita de potencial recepção infanto-juvenil, este álbum narrativo ficcionaliza de forma envolvente alguns dos momentos essenciais de um percurso existencial anónimo que é, no fim de contas, o de todos os seres humanos. Neste livro, acompanhamos o crescimento e os desejos de um menino, desde a infância até à velhice. Aqui, conhecemos as suas vontades mais simples (ou, até, infantis) – como esperar que o bolo esteja cozido – e os seus sonhos mais profundos – esperar que a guerra chegue ao fim, por exemplo. Na narrativa, observa-se, portanto, a oscilação entre um comovente dramatismo, que se pressente em diversos momentos da narrativa, e um humor delicado, sustentado, não raras vezes, pela metáfora e pelo simbolismo de alguns elementos. O formato original, a simplicidade e a concisão do discurso verbal, aliado a um conjunto de ilustrações a negro e branco, pontuadas também, desde o início, pela presença subtil do vermelho, prendem irremediavelmente o olhar do leitor. As imagens, sóbrias, muito elegantes e bem doseadas, multiplicam os sentidos do texto verbal, também ele apresentado paulatinamente, sem pressas, e exigindo sempre o regresso ao título “eu espero”. As ilustrações imprimem profundidade, ampliam o conteúdo linguístico e algumas das suas linhas nucleares e concedem espaço a uma pausa ou à reflexão, que, por exemplo, o desfecho deixa ecoar. Este é um livro imperdível que, como poucos, possibilita diferentes níveis de leitura.

Share this post